Sustentabilidade

Aterros sanitários de salto alto, um sapato de cada vez

Aterros sanitários de salto alto, um sapato de cada vez

Não há necessidade de tentar revender sapatos velhos e fedorentos! Duas empresas uniram forças para criar um sapato compostável impresso em 3D.

A empresa holandesa de calçados SLEM e a startup de impressão 3D BioInspiration buscam fazer calçados ativos para compradores com consciência social.

Os sapatos são feitos de um material de amido de milho não OGM, sem odor, chamado WillowFlex. A BioInspiration projetou o material para se degradar em 90 por cento em seis meses. A empresa trabalha com materiais naturais cultivados localmente para produzir polímeros, resinas e compostos.

SLEM, abreviatura de Sapatos, Couro, Educação, Museu, quer oferecer oportunidades únicas para inovadores. A empresa deseja atuar como fabricante e educadora para seus funcionários.

Sapatos impressos em 3D certamente não são novos. A New Balance usou a tecnologia para uma tiragem limitada de tênis impressos em 3D com o Zante Generate. Porém, esse calçado seria o primeiro tênis biodegradável do mercado.

Dos 20 bilhões de pares de sapatos produzidos a cada ano, 300 milhões de pares acabam em aterros. E aquelas solas caras de tênis de corrida surrados? Eles podem levar até 1.000 anos para se degradar em aterros, graças ao seu etileno acetato de vinila. A maioria dos tênis de corrida tem uma vida útil de 200 a 500 milhas, dependendo do uso do proprietário.

Confira o WillowFlex em ação abaixo.

VEJA TAMBÉM: Inauguração do primeiro restaurante de impressão 3D do mundo em Londres em julho

Assista o vídeo: Programa Tudo Posso - Qual o melhor calçado para sua postura? (Outubro 2020).